Bacará Ao Vivo

<
>

Review | Song of Nunu: A League of Legends Story é um abraço quentinho em jogadores de LoL; mas não vai além

play
Trailer de prévia de Song of Nunu: A League of Legends Story (1:27)

Confira as primeiras imagens do mais novo jogo derivado de League of Legends (1:27)

Mais um jogo sobre o vasto universo de League of Legendschegou:Song of Nunu. Após títulos como Ruined King, Hextech Mayhem,The MageseekereConvergence, a Riot Forge agora convida os fãs do mundo de Runeterraa conhecer e explorar a gélida e estonteante região de Freljord, lar de NunueWillump, os cativantes protagonistas deste jogo.

Song of Nunu foi desenvolvido pela Tequila Works – estúdio por trás de Deadlight– e é um jogo de ação e narrativa, que leva o jogador aos cantos inexplorados de Freljord. Lançado em 1 de novembro para PC e Nintendo Switch, o título acompanha a busca de Nunu, um menino Notai, por sua mãe Layka, ao lado de seu fiel escudeiro Willump.

O jogo traz uma jogabilidade leve, uma narrativa imersiva e se garante em sua proposta de ser uma jornada sobre família, amizade e magia. Repleto de puzzles, que são resolvidos sempre com a mesma mecânica – mas com resoluções e detalhes diferentes conforme a jornada progride –, Song of Nunu tem uma duração média de 5 horas. É um prato cheio para quem, assim como a autora desta análise, é aficionado pela lore de League of Legends – mas talvez não conquiste aqueles que não o são.

Song of Nunu é uma doce melodia

Não há como falar sobre Song of Nunu sem destacar a doçura deste jogo: leve e divertido, seu destaque são seus protagonistas. Em uma região do League of Legends que possui figuras fortes e impetuosas – como Ashe, Tryndamere e Volibear, para aqueles que os conhecem – a escolha de Nunu e Willump como os personagens desta aventura foi acertada e trouxe uma pegada family friendly para a aventura. É um jogo que o público mais jovem pode aproveitar sem medo.

A todo momento Nunu conversa com seu fiel escudeiro, que mesmo sendo um yeti e, portanto, não tendo falas, expressa-se do seu jeito e interage com o menino e com o ambiente em sua volta com animações divertidas e cheias de referências às habilidades desses campeões no LoL.

Nunu, como uma criança, conta a história de Freljord, da mitologia da região e sua própria história de forma leve e nos faz imergir no universo. Os encontros com outros personagens, como Braum, Orn e Lissandra, também geram diálogos que mostram a essência desses campeões e nos fazem entender suas personalidades e origens. A narrativa e a ambientação de Song of Nunu são impecáveis: o cenário de Freljord é lindo e colorido, e a trilha sonora – principalmente considerando que o próprio jogador faz parte dela ao utilizar da Flauta Scançãolibur na jogabilidade – também é gostosa de ouvir.

A jogabilidade é simples e não enjoa; porém é limitada

Em Song of Nunu o jogador controla Nunu, que pode andar, correr, escalar, jogar bolas de neves e tocar sua Flauta Scançãolibur para resolver os desafios principais do jogo. Ele também pode ser jogado pelos ares por Willump, que controlamos em determinadas partes do jogo (modificando em poucos detalhes a jogabilidade, já que ele se torna a “montaria” de Nunu), mas não podemos escolher quando. Esse detalhe faz com que a aventura não seja tão fluída, dando a impressão que estamos mais limitados do que gostaríamos.

Com Willump chega o combate – que com poucos minutos já dá para notar que não é o foco – e um dos detalhes mais legais do game: ao abater inimigos o yeti os finalizar com animações especiais, que são suas habilidades do League of Legends. Vemos cuts scenes curtinhas bem divertidas e bem feitas.

Os quebra-cabeça do game são resolvidos com a mesma mecânica, mas todos eles possuem detalhes diferente conforme o jogo progride – então não se tornam enjoativos. Uma outra coisa que dificulta enjoar de Song of Nunu é que o título pode ser finalizado em 5 a 8 horas; quando chega perto de se tornar repetitivo, o game termina – e trazendo boas surpresas na batalha final. Minijogos como guerras de bolas de neve fazem parte da aventura, então espere por eles.

Em Song of Nunu o jogador também possui um caderno para o registro de conhecimentos novos, sobre criaturas, personagens ou lugares, aprendidos ao longo do jogo e para uma das minhas partes favoritas: o registro de encontros com divertidos Poros – criaturinhas fofas de pelugem branca, que todo jogador de LoL conhece – que estão espalhados por Freljord e que você precisa encontrar.

Apesar de simples e divertida, a jogabilidade não é perfeita: um ponto negativo é sua limitação. A câmera do jogo limita a visão do jogador em diferentes partes da aventura, chegando a irritar. O próprio mapa também é muito limitado, áreas que poderiam ser acessíveis para exploração não são, e muitos objetos no cenário não possuem interações.

Por último: não é um jogo desafiador, a resolução dos puzzles são óbvias e quando não o são, Nunu e Willump o direcionam para o caminho certo por diálogos (de formam muito rápida). Não considero este um defeito, por ser um jogo com o foco em narrativa, mas é um fato a ser levado em consideração por aqueles que estejam buscam desafios.

Song of Nunu sofre no Nintendo Switch

Para esta análise, a Riot Games nos concedeu uma cópia digital de Song of Nunu para o Nintendo Switch. Jogamos em no console tradicional V2 e nos deparamos com algums problemas técnicos que podem atrapalhar a jogatina: no modo portátil o jogo engasga quando estamos em um ambiente com muita textura, objetos e animações e também em combate. Indicando que a otimização para o hardware está longe de ser perfeita.

Esse “engasgo” aconteceu mais de uma vez e atrapalhou a jogatina, já que o jogo travava em momentos cruciais de puzzles e combates, mas até o momento desta matéria não vimos ocorrências deste acontecimento na versão para computador. É possível que atualizações futuras corrijam esse problema.

Jogando com o Nintendo Switch no deck transmitindo para a TV não nos deparamos com essa queda.

Considerações finais

Song of Nunu é um jogo que todos podem aproveitar, sejam fãs de League of Legends ou jogadores que nunca tiveram contato prévio com o universo da Riot Games. Para jogar o título não é preciso ter conhecimento sobre Runeterra, Song of Nunu basta por si só, mas talvez os que realmente vão extrair o máximo do game sejam os entusiastas da lore, pois cada detalhe mostrado de Freljord é empolgante para quem sempre quis conhecer mais da região e de seus mistérios.

Tem seus defeitos, mas que são muito pequenos se comparados à gostosa e doce aventura que vivemos controlando Nunu e Willump. Song of Nunu é um convite à gélida, mas colorida e estonteante Freljord, e à uma narrativa emocionante sobre amizade e família. Divertido e tocante na medida certa, e um prato cheio para jogadores de League of Legends. Não espere desafios ou uma gameplay, mas sim um jogo que te dá um abraço quentinho.

Song of Nunu se garante como uma história de League of Legends; mas não vai além disso (e realmente não é um problema).

Além das limitações na jogabilidade abordadas nesta análise – que podem não ser um incômodo para todos –, os problemas de verdade referem-se à otimização do jogo para Nintendo Switch, que podem ser corrigidos nos próximos dias após o lançamento.

Dê um biscoito para o Poro mais próximo e divirta-se.

*A cópia de Song of Nunu para Nintendo Switch utilizada para esta review foi concedida pela Riot Games.

Bacará Ao Vivo Mapa do site